Pela primeira vez, a tecnologia em vídeo foi usada pela arbitragem durante a partida no Japão

Atlético Nacional x Kashima Antlers no Mundial de Clubes da Fifa
FIFA/ Divulgação

Atlético Nacional x Kashima Antlers no Mundial de Clubes da Fifa

O Atlético Nacional ganhou a simpatia dos brasileiros por conta das homenagens que fez pela Chapecoense há alguns dias e tinha muita torcida a seu favor na estreia no Mundial de Clubes da Fifa. Entretanto, o time colombiano não conseguiu passar pelo japonês Kashima Antlers na cidade de Osaka, semifinal da competição, e perdeu por 3 a 0, ficando fora da final.

Veja: Mundial de Clubes da Fifa pode ter 32 times e fórmula mais “entusiasmante”

O Kashima espera agora pelo vencedor de Real Madrid e América do México, que fazem a outra semifinal do Mundial nesta quinta-feira, a partir de 08h30 (de Brasília), na cidade japonesa de Yokohama. A grande decisão da competição será no domingo, dia 18 de dezembro, no mesmo horário e também em Yokohama. Um pouco antes, às 05h00, o Atlético Nacional entra em campo na disputa do 3º lugar contra o perdedor do jogo entre espanhóis e mexicanos.

Jogo do Atlético Nacional no Mundial de Clubes teve lembrança às vítimas da Chapecoense
Twitter/Reprodução

Jogo do Atlético Nacional no Mundial de Clubes teve lembrança às vítimas da Chapecoense

Recurso eletrônico

No primeiro gol do jogo, o árbitro Victor Kassai assinalou pênalti para o Kashima Antlers após a utilização das imagens em vídeo pela primeira vez na história. Ele paralisou a partida, foi até a beira do gramado, analisou o lance no monitor e decidiu marcar a infração de Berrío sobre Nishi dentro da área. Shoma Doi bateu a penalidade com categoria e abriu o placar para os japoneses.

Árbitro Viktor Kassai analisa o lance do pênalti no monitor à beira do gramado
Reprodução

Árbitro Viktor Kassai analisa o lance do pênalti no monitor à beira do gramado

Logo depois de marcar, os anfitriões quase ampliaram com Ueda, mas o goleiro Armani fez bela defesa no canto.

Concorda? “Messi é como Federer, Cristiano Ronaldo é como Djokovic”

A equipe colombiana teve mais volume de jogo e posse de bola na etapa inicial, pressionando o adversário no seu campo de defesa a perdendo boas oportunidades, principalmente com Borja. Antes de levar o gol, Mosquera acertou o travessão e Berrío quase marcou no rebote, com o zagueiro tirando em cima da linha. No último lance do primeiro tempo, Mosquera finalizou no travessão mais uma vez.

Segundo tempo de pressão

Kashima Antlers está na final do Mundial
FIFA/ Divulgação

Kashima Antlers está na final do Mundial

Precisando de um gol para forçar a prorrogação e não ser eliminado de forma precoce na competição, o Nacional partiu com tudo para cima do Kashima Antlers, criando diversas chances, mas falhando nas finalizações. As entradas de Guerra e Dajome deixaram o atual campeão da Libertadores muito mais ofensivo e dando espaços para o adversário assustar em contra-golpes.

O Kashima Antlers se segurou bem na defesa e definiu sua classificação à final em dois rápidos contra-ataques. Aos 38 minutos, Endo aproveitou bobeada do goleiro Armani e marcou o segundo gol dos donos da casa de calcanhar, mostrando muita calma e frieza na hora de completar para as redes. Na sequência, Suzuki recebeu cruzamento da direita e só tocou para o gol vazio, completando o marcador.

FICHA TÉCNICA
ATLÉTICO NACIONAL (COL) 0 x 3 KASHIMA ANTLERS (JAP)

Local: Estádio Municipal de Osaka, em Osaka (Japão)
Data: 14 de dezembro de 2016, quarta-feira
Horário: 08h30 (de Brasília)
Árbitro: Viktor Kassai (Hungria)
Assistentes: Giorgy Ring (Hungria) e Vencel Toth (Hungria)
Cartões amarelos: Henríquez, Uribe (Atlético Nacional)

GOLS:
KASHIMA ANTLERS: Shoma Doi, aos 33 minutos do 1º tempo, Endo, aos 38 e Suzuki, aos 40 minutos do 2º tempo.

ATLÉTICO NACIONAL: Franco Armani, Daniel Bocanegra, Alexis Henríquez, Felipe Aguilar e Farid Díaz; Diego Arias (Guerra), Matheus Uribe, Mosquera (Dajome) e Macnelly Torres; Orlando Berrío (Rodriguez) e Miguel Borja. Técnico: Reinaldo Rueda

KASHIMA ANTLERS: Hitoshi Sogahata, Naomichi Ueda, Daigo Nishi, Gen Shoji e Shuto Yamamoto; Ogasawara (Nagaki), Atsutaka Nakamura (Suzuki), Gaku Shibasaki e Yasushi Endo; Shoma Doi e Shuhei Akasaki (Mu Kanazaki). Técnico: Masatada Ishi

Pela terceira vez, o Mundial de Clubes da Fifa vê um time do país anfitrião na final. Em 2000, o Corinthians foi à decisão, sagrando-se campeão diante do Vasco, no Maracanã; e em 2013, o Raja Casablanca chegou à final no Marrocos, mas perdeu do Bayern de Munique.

www.reporteriedoferreira.com Por Ig