BESSA GRILL
Início » Esportes » Em noite de Rogério Ceni, Santos e São Paulo empatam sem gols na Vila

Em noite de Rogério Ceni, Santos e São Paulo empatam sem gols na Vila

11/02/2015 23:32

Rogério Ceni, 42 anos de idade, ainda é a melhor coisa de um São Paulo que, apesar do técnico badalado e dos grandes jogadores de meio pra frente, deve ao goleiro a invencibilidade no Campeonato Paulista. Ele passou o jogo inteiro segurando o ímpeto do Santos na Vila Belmiro, até coroar sua atuação com uma defesa impressionante no chute de Marquinhos Gabriel, no segundo tempo. Empate sem gols, mas com nome: Rogério Ceni.

Rogério Ceni, Santos X São Paulo (Foto: Marcos Ribolli)Rogério Ceni faz uma das grandes defesas contra o Santos na Vila Belmiro (Foto: Marcos Ribolli)

Aos cinco minutos, o goleiro pediu para trocar as luvas. E como elas trabalhariam… Geuvânio, Robinho, Chiquinho, Ricardo Oliveira, Marquinhos Gabriel, Renato… Todos carimbaram as experientes mãos do Mito.

O Santos foi superior, mas só a partir da parte final do primeiro tempo. Antes, justiça seja feita, Vanderlei também fez seu trabalho com muita competência. Defendeu chutes rasteiros e bem colocados de Michel Bastos, Luis Fabiano e o mais difícil de Ganso, que recebeu de Ceni a faixa de capitão e, como sempre acontece quando ele volta à Vila Belmiro, foi vaiado a cada toque na bola.

Não foi um clássico de encher os olhos, não será lembrado daqui a alguns meses, mas teve bons lances dos dois lados. O Tricolor começou melhor, com mais posse de bola e aproveitando bem os buracos no meio-campo. Na saída para o intervalo, Ceni considerou os 30 primeiros minutos da equipe “fantásticos”. Exagero. Fantástico, mesmo, só ele.

O Santos causou arrepios na insegura defesa são-paulina a cada arrancada de Geuvânio pelo setor direito de ataque alvinegro. O jogador, mais uma vez, começa muito bem a temporada. Resta saber se conseguirá manter o nível, ao contrário de 2014.

O equilíbrio não voltou para o segundo tempo. Só deu Santos. Mais veloz e bem organizado em campo, o time criou uma chance atrás da outra. A melhor delas teria sido no pênalti de Denilson em Ricardo Oliveira, clarísismo, porém ignorado por Leandro Bizzio Marinho. No lance anterior, o árbitro também não havia dado falta de David Braz, que já tinha cartão amarelo e aplicou uma perigosa tesoura contra Michel Bastos.

Marquinhos Gabriel entrou no lugar de Ricardo Oliveira para dar mais velocidade ao time e teve a melhor chance em seus pés. Parou em Ceni, que se esticou quando ninguém mais acreditava na defesa e espalmou. No rebote, pegou também o chute de Renato.

O São Paulo não melhorou nem com Pato no lugar de Ewandro. Continuou um time com ótimos jogadores e péssima organização coletiva. Bagunçado. Terá de melhorar muito para enfrentar o Corinthians, na próxima quarta-feira, pela Libertadores. Antes, no sábado, o time pega o Bragantino, enquanto o Santos encara o São Bernardo, ambos fora de casa.