BESSA GRILL
Início » Esportes » Copa América: Argentina dá baile no primeiro tempo, mas cede empate ao Paraguai

Copa América: Argentina dá baile no primeiro tempo, mas cede empate ao Paraguai

13/06/2015 20:57

messi_derrota_apO favoritismo pesa. E a Argentina sentiu isso logo em sua estreia na Copa América 2015 neste sábado em La Serena. Depois de uma grande atuação no primeiro tempo, com direito a gritos de ”olé” com apenas 15 minutos de jogo, a equipe de Gerardo Martino caiu de produção e cedeu o empate ao Paraguai por 2 a 2 nos minutos finais. Agüero e Messi, de pênalti, marcaram para os hermanos. Haedo Valdez e Lucas Barrios deixaram tudo igual no Estádio La Portada.

Com o empate, Argentina e Paraguai dividem a segunda posição do Grupo B com um ponto. A equipe de Tata Martino volta a campo na próxima terça-feira para enfrentar o líder Uruguai, novamente em La Serena, às 20h30 (de Brasília). O Paraguai joga no mesmo dia contra a lanterna Jamaica, às 18h, em Antofagasta.

Domínio nas arquibancadas e no gramado. A superioridade entre os torcedores parecia refletir no time de Tata Martino em campo. Tanto que a Argentina, bem postada, não deixou o Paraguai respirar no primeiro tempo. A posse de bola chegou a ultrapassar a casa dos 80%. Aos 15 minutos, os hermanos já gritavam ”olé”. Com o Paraguai totalmente recuado e chegando apenas em (poucas) jogadas de bola parada, Messi tinha de sair da ponta direita para receber a bola. E sempre que o fazia, criava lances de perigo. Mas curiosamente o primeiro gol não saiu de uma das várias jogadas bem trabalhadas. Coube ao lateral Samudio, ex-Cruzeiro, dar a ”assistência” para Agüero driblar o goleiro e abrir o placar.

A vantagem não diminuiu o ímpeto argentino. Mesmo com os torcedores mais calados do que de costume, os hermanos seguiram massacrando. Teve caneta de Messi em Cáceres, volante do Flamengo, e provocações dos hermanos para o compatriota Ramón Díaz, técnico do Paraguai. ”Todos atrás, Ramón”, gritou um argentino nas arquibancadas antes de puxar mais um coro de ”olé”. Com o quarteto Pastore, Messi, Di María e Agüero funcionando bem, o segundo gol não demorou a sair. Di María trocou de lado, invadiu a área e caiu após choque com Samudio (de novo ele). Pênalti que o juiz marcou e Messi converteu.

A tranquilidade no placar e a possibilidade de poder jogar nos contra-ataques fizeram a Argentina relaxar no início do segundo tempo. O Paraguai passou a pressionar mais e chegou duas vezes com Haedo Valdez. Na primeira, Romero defendeu bem. Na segunda, o goleiro argentino falhou: adiantado, não conseguiu impedir o gol. O 2 a 1 no placar deixou aberto e um jogo que parecia decidido. O Paraguai teve pelo menos três chances para marcar, uma delas com Samudio – Romero se redimiu e fez grande defesa. Os hermanos tamném seguiram ameaçando e chegaram perto do gol com Messi, Pastore e Di María. O camisa 10, aliás, quase marcou um golaço após fazer fila e chutar para fora.

O jogo ficou animado e não parecia mais ter meio-campo. Era ataque contra ataque. E a queda de produção argentina foi castigada aos 43 minutos. Lucas Barrios, que tinha entrado pouco antes, aproveitou uma bola ajeitada pelo zagueiro Paulo da Silva e chutou sem chances para Romero. A Argentina até tentou o gol salvador e Tévez, de cabeça, ainda teve tempo de perder grande chance. O favoritismo pesa.

www.reporteriedoferreira.com G1