BESSA GRILL
Início » Cidades » ESPÍRITOS QUE ARRASTAM A VIDA TERRENA

ESPÍRITOS QUE ARRASTAM A VIDA TERRENA

18/02/2013 00:10

O-Egoista-2 (1)

Queria ir e nunca foi.
Queria ficar, mas não ficava.
Queria ser, mas não era.
Queria poder, mas não podia.
Queria realizar, mas não realizava.
Queria ter, mas não tinha.

Queria tantas coisas, que nem notava as coisas que à sua volta estavam, não percebia que a partir delas tanta coisa resultaria.
Sempre com ar insatisfeito, dizia não ter oportunidades, as que tinha em mãos não aproveitava, a vida não vivia, arrastava-se no seu eterno esperar que algo acontecesse, talvez a tal oportunidade.
Não aproveitava os momentos, não percebia as mãos que lhe estendiam, muito menos os braços que se abriam.
Assim, a vida passou, por ele não podia esperar, ele ali estacionado, esperando para ir, ficar, ser, poder, realizar e ter.
O que tinha à sua volta, as pessoas, as oportunidades, aos poucos, lentamente foram indo embora e então na velhice ele começa a desejar coisas que antes tinha ali, era só dar-lhes valor que por si só esta energia, esta atitude atrairia sempre mais e mais coisas, pessoas, oportunidades.

Coitado, tarde demais resolvera trabalhar com o que tinha em mãos. Agora só lhe resta esperar, porque agora ele se tornou a oportunidade no caminho de alguém. 

A oportunidade deste alguém ver a mão que se estende, deste alguém valorizar o abraço de gratidão que receberá, a oportunidade deste alguém semear a fraternidade, a esperança e a fé no coração de um velho que passou a vida querendo, sem olhar a sua volta, cego pelo egoísmo, pelo coração fechado.
Pobre irmão que perdeu a oportunidade que o PAI  dá ao filho, a evolução através da encarnação, retornará a Pátria espiritual cabisbaixo com a alma encharcada das lágrimas do arrependimento e c
om o chicote do remorso a açoitar o seu mental. Mais uma vez terá que recomeçar do ponto que estacionou há tanto tempo atrás.
Por isto, alertamos a todos sempre, não desperdicem um segundo da vida terrena, sempre é hora, sempre é tempo, nada é o acaso.
Fiquem em paz,
 
ditado por João de Albuquerque,
psicografado por Luconi
09-01-2013