BESSA GRILL
Início » Destaque » Entenda o atual conflito entre Israel e Hamas

Entenda o atual conflito entre Israel e Hamas

27/07/2014 17:32

 

O Exército de Israel lançou no dia 8 a Operação Margem de Proteção contra a Faixa de Gaza, território controlado pelo grupo militante Hamas. Após quase 20 dias do conflito, ofensiva já matou mais de 800 palestinos e ao menos 35 israelenses, além de ter desencadeado os combates mais pesados entre os dois lados desde uma batalha de oito dias em novembro de 2012.

Entenda: Israel usa arsenal sofisticado contra foguetes palestinos obsoletos 

AP

Fumaça sobe após ataque aéreo de Israel contra a Faixa de Gaza (15/7)

 

Saiba mais: Conheça o dia a dia da vida repleta de restrições em Gaza

Israel justifica a ação afirmando que seu objetivo é destruir as capacidades militares do Hamas e impedir o lançamento de foguetes contra o seu território, que poriam em risco milhões de cidadãos israelenses.

A atual rodada de violência, a terceira em apenas cinco anos, foi antecedida pelo aumento de tensão entre os dois lados com a morte de três adolescentes israelenses na Cisjordânia e, posteriormente, com a morte do jovem palestino Muhammad Abu Khdeir, 16, cujo corpo foi encontrado carbonizado em Jerusalém.

Autópsia: Adolescente palestino assassinado foi queimado vivo

Apesar de acusar o Hamas pela morte dos seminaristas judeus Gil-Ad Shaer e Naftali Fraenkel (israelo-americano), ambos de 16 anos, e de Eyal Yifrah, de 19 anos, Israel não apresentou provas da autoria do grupo, que negou a acusação. Em relação ao assassinato do palestino Khdeir, Israel prendeu alguns suspeitos, com três deles tendo confessado que mataram o adolescente em retaliação ao sequestro e morte dos israelenses.

Cenário: Conheça judeus descontentes com a política de Israel para Gaza

Segundo o governo israelense, militantes da Faixa de Gaza, território que é controlado pelo Hamas, retomaram os disparos de foguetes contra Israel em 12 de junho, dia em que os três adolescentes israelenses desapareceram. Ainda de acordo com Israel, os disparos se intensificaram em 30 de junho, quando os jovens foram encontrados mortos.

Dia 25: Protestos contra ação israelense se espalham por Jerusalém e Cisjordânia

Mãe do palestino Mahmoud al-Shawamrah chora durante seu funeral na cidade de Al-ram, Cisjordânia (22/7). Foto: Reuters
1/51

Em 7 de julho, 80 foguetes foram direcionados contra as cidades israelenses, elevando para 284 o total de projéteis lançados de 12 de junho a 7 de julho. Em resposta, Israel iniciou a ofensiva no dia seguinte.

Contando com o sofisticado sistema de defesa antiáerea Domo de Ferro para interceptar os foguetes palestinos, Israel registrou danos materiais, um morto e mais de dez feridos em seu território. De acordo com o governo, os militantes lançaram mais de 1,1 mil foguetes em direção a Israel.

Por outro lado, o alto poder de fogo de Israel causou pesadas baixas em Gaza, faixa costeira de apenas 40 km de extensão e 10 km de largura com 1,7 milhão de habitantes que faz fronteira com Egito, Israel e o Mar Mediterrâneo.

Relato: ‘Não vale a pena viver’, diz palestino morador da Faixa de Gaza

A Organização das Nações Unidas (ONU) estima que mais de três quartos dos quase 200 mortos sejam civis. Cerca de 1,4 mil palestinos ficaram feridos.

Por iG São Paulo