Nestes dias de pré-carnaval, Com queda na arrecadação e cofres vazios, as prefeituras da Paraíba suspenderam os investimentos no carnaval. Em algumas cidades, os blocos vão sair sem apoio oficial. Em outras, o desfile foi mantido, mas a verba será reduzida.O Comércio geral da Capital, sofre pelas faltas de vendas nesses dias, que são levantadas pelos preços apresentados, pelo Rei Momo e sua tropa, que não chegam a mudar as vias para todos, porque o Carnaval de 2017 murchou.

O Ministério Público de Paraíba (MPPB) vem orientando os gestores a não realizarem a festividade de Carnaval em decorrência dos desequilíbrios financeiros. As festividades não serão realizadas enquanto não houverem mais débitos municipais. Como um gestor pode ter dinheiro para gastar com bandas caríssimas e não ter dinheiro para gastos públicos que se destinem às áreas com problemas recorrentes de atendimento emergencial, em especial nos Recursos Hídricos, Saúde e Segurança. Outro motivo que acarretou no congelamento do evento foi o corte nos repasses do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) destinado pelo Governo Federal.

Essa realidade é também dos pais de família, que tiveram gastos extras devido às contas de início de ano, como de escolas e impostos prediais. Então com esse “liseu”, quem gosta mesmo de carnaval tem que fazer festa e curtir a folia, optando, por exemplo, por um bloco de rua ou fazer a festa em casa mesmo e evitar a confusão das ruas. Mas quem quer passar o Carnaval longe da farra e da bagunça, então, você também pode aproveitar o feriado para descansar, ver filmes em casa, colocar as leituras em dia.

Na verdade, não posso dizer, agora, que o Carnaval mudou literalmente, mas,antigamente é que era bom o carnaval!”. Quando alguém com mais de mais anos faz essa afirmação é imediatamente chamado de saudosista, desatualizado e tantos outros adjetivos. É claro que não pretendemos voltar a brincar com lança-perfume, bisnagas ou frasqueira de Camboinha nas principais avenidas, da badalada praia de veraneio, mas, o que se via era a participação do povo, em todos os níveis, naquilo que os da antiga chamam de “verdadeiro carnaval”.

Neste momento, as prévias carnavalescas vieram para elastecer o calendário do rei Momo, ganhando espaços em todo Brasil um tipo de carnaval diferente e simplificado pelo trio elétrico, marginalizando o frevo, a marchinha e o samba.

Hoje, o carnaval com essa carestia e crise, se estivesse brincando carnaval sairia cantando: “ei, você aí, me dá um dinheiro aí, me dá um dinheiro aí”.

 

www.reporteriedoferreira.com  Desembargador aposentado e advogado