BESSA GRILL
Início » Colunistas » “SUTILMENTE”: Escrito Por Rui Leitao 

“SUTILMENTE”: Escrito Por Rui Leitao 

15/07/2018 09:50
 

“SUTILMENTE”: Escrito Por Rui Leitao 

O vocalista da banda mineira Skank, Samuel Rosa, e o compositor e cantor Nando Reis, são os autores da música “Sutilmente”, gravada em 2009. A letra da canção nos permite fazer uma reflexão de comportamento entre duas pessoas que se amam e finaliza com uma explícita proclamação de amor eterno pela mulher da sua vida.

“Quando eu estiver triste/Simplesmente me abrace./E quando eu estiver louco/Subitamente se afaste./E quando eu estiver fogo/ Suavemente se encaixe”. Não há nada mais confortador do que receber um abraço solidário, amigo, numa hora em que se está triste ou vivenciando algum problema. Então, o “eu lírico” pede para que nos instantes em que se veja numa situação de abatimento, ela se aproxime e “simplesmente o abrace”, quer sentir nesse aconchego a demonstração de apoio, de carinho, de companheirismo. Mas chama a sua atenção para ter cuidado nas oportunidades em que se encontrar nervoso, emocionalmente exaltado, meio “fora de si”, sugerindo que ela se distancie para que não seja alcançada por reações impulsivas e impensadas. Entretanto, quando sentir que ele está abrasado, ardendo de paixão, que procure chegar junto com toda a sua meiguice e leveza para se incorporar r inteiramente no clima de excitação em que está envolto.

“E quando eu estiver bobo/Sutilmente disfarce./Mas quando eu estiver morto/Suplico que não me mate/Dentro de ti, dentro de ti”. A pessoa apaixonada, às vezes fica meio abobalhada, falando tolices, deixando a seriedade de lado. Solicita que ao percebê-lo assim, delicadamente finja que não está vendo e compreenda que se trata de um comportamento de quem está perdidamente enamorado. E finaliza dando ênfase ao seu desejo de que esse amor seja perene, eterno, ao suplicar que ela o mantenha vivo no coração e pensamento, mesmo após a sua morte corporal.

“Mesmo que o mundo acabe, enfim/Dentro de tudo que cabe em ti”. Apela finalmente, que ainda que o “mundo acabe”, que ela possa guardá-lo no seu íntimo, inteiro.

* Do livro CANÇÕES QUE FALAM POR NÓS