A figura do pai, em todos os sentidos, se apresenta como respeitável chefe de família, provedor do lar, patriarca, sem nenhum demérito para as mães guerreiras, que possuem um importante papel na solidificação da família.            O tema não é de hoje, a exemplo do filme In the name of the Father (1993),laureada coprodução irlandesa e britânica, envolvendo um atentado a bomba pelo exército do IRA matando cinco pessoas num pub. Como sempre, o pai entra na história para proteger seu rebento, e as vezes termina também condenado.

No mundo, sempre existiu em cada genitor, uma responsabilidade nata para proteger, educar, iluminar e até dar a sua vida por seus filhos queridos, sendo inerente a figura do pai. É da natureza paterna o impulso de esboçar rotas para seus rebentos e disso não há como fugir e, se me fosse dada a graça de levar pelas mãos vida afora até um único destino,certamente os conduziria até as levezas, sucesso, sem sombra de dúvidas, vez que o pai sempre quer o melhor para seus filhos.

Apesar de com maior ou menor frequência, dizer que ama os filhos, muitos pais acreditam não ter tempo suficiente para vê-los crescendo, ajudá-los na labuta diária de forma saudável e feliz. Ledo engano pensar que a maior missão do pai é trabalhar para que nada falte aos seus filhos, falando no âmbito material; então, por esse motivo trabalham ano após ano, horas extras, feriados e domingos, para que possam suprir a casa e também,proporcionar as crianças com tudo o que talvez lhes tenham faltado nas suas próprias infâncias.

A lição que fica, é que nem sempre os filhos precisam de todas as coisas materiais que os pais acreditam que eles necessitem, a presença do pai é mais importante, os filhos precisam de um abraço forte, carinho, demonstração de afeto e atenção, uma história cintilante antes de dormir, a atenção é mais importante que bens materiais. Por fim, podemos ter a certeza que o tempo perdido não volta, não se para, como também não se antecipa, em suma, viva o momento intensamente com seu filho, sabendo que tudo passa, mas esses momentos ficarão marcados para sempre nas memórias dos nossos filhos e, isso o tempo não apaga.

Agora e olhando um pouco para trás, percebo que trabalhei demais, gostaria de ter tido mais tempo dos que meus filhos: Hilton Neto, Marcos Filho, Raquel e Maria Adélia, mas hoje, minhas atenções estão voltadas aos meus netinhos e netinhas, razão do meu viver, me constituíram como Advogado quando erram e juiz quando são disciplinados por seus pais, para que eu julgue as correções impostas sobre eles

Ser pai, é entender que não se gasta tempo com os filhos, muito pelo contrário, é ter plena consciência que todo tempo em que se passa com filhos, é investimento com retorno certo, retorno este que será colhido junto com o crescimento dos filhos, invista seu precioso tempo no seu bem maior, herança do Senhor, os nossos filhos.

www.reporteriedoferreira.com.br   (*) Advogado e desembargador aposentado