BESSA GRILL
Início » Colunistas » QUEM COM FERRO FERE…: Escrito Por Lena Rolim Guimarães 

QUEM COM FERRO FERE…: Escrito Por Lena Rolim Guimarães 

4/05/2019 17:53

Na Bíblia, capítulo 6 do livro de Gálatas, está escrito que “o que homem semear, também colherá”. A sabedoria popular alerta que nossas ações, boas ou más, sempre retornam. A física reforça, e Newton provou que para toda ação, sempre existirá uma reação do mesmo valor e direção, mas com sentido oposto.

Desafiar essa verdade sempre gera consequências. É o caso do ex-governador Ricardo Coutinho (PSB), que atacou duramente o deputado Walber Virgolino (Patriota), rotulando-o de “desclassificado”, sem “estatura política” ou “estatura moral”, que “ridiculariza a política porque não deixa de ser ridículo”.

As ofensas foram em resposta a denúncia de que usou carro da Infraero e o hangar do governo do Estado em desembarque de voo comercial no aeroporto Castro Pinto, o que seria privilégio indevido.

O deputado, que foi o segundo mais votado para a Assembleia (48.053 votos), recebeu, ontem, a solidariedade do deputado federal Julian Lemos (PSL), que atacou Ricardo Coutinho igualmente sem dó nem piedade.

Julian usou adjetivos como arrogante, perseguidor, maquiavélico e perigoso em relação ao ex-gestor da Paraíba, em vídeo que postou nas redes sociais. Avaliou governo como “tirano” e fazendo referência à Operação Calvário, completou: “A Paraíba é governada por uma cleptocracia, ou seja, o estado é governado por ladrões”.

No seu ataque, Julian disse que os paraibanos estão perplexos com as revelações da Calvário. Considerou como mais grave não o enriquecimento ilícito de agentes públicos, mas que isso tenha decorrido de desvios da Saúde. “Eles não ligam para os pobres, ligam para os planos de poder”.

No contraponto, o prefeito Romero Rodrigues, de Campina, que é adversário dos socialistas, foi extremamente cauteloso ao ser instado a comentar o inquérito. Considerou os fatos graves, mas disse que prefere esperar sua conclusão e não condenar ninguém por antecipação.

Romero não quis entrar no embate. Seu máximo foi considerar o relator do caso, desembargador Ricardo Vital, como o Sérgio Moro da Paraíba. Já Julian Lemos deixou no ar ensinamento bíblico como um prognóstico: “A arrogância precede a queda”.

TORPEDO

“Sem o trabalho dos auditores, não haveria combate à corrupção. Eles formam a coluna vertebral do controle externo. (…) São essenciais na busca permanente pela correta aplicação dos recursos públicos. Principalmente em áreas como saúde e educação.”

Do conselheiro Arnóbio Viana, presidente do TCE, elogiando o trabalho dos auditores da Corte em defesa do patrimônio da sociedade.

Cobiçados

A notícia de que Cícero Lucena e Lauremília serão substituídos no comando do PSDB de João Pessoa movimentou lideranças de outros partidos, que querem aproveitar para atraí-los para suas legendas.

Favorito

Cícero é considerado como fortíssimo candidato a prefeito de João Pessoa, cidade que governou por dois mandatos. O problema é que ele tem reafirmado desde 2010 que não pretende mais disputar cargos.

Troca

Amanhã o PSDB realiza convenção estadual e elege nova Comissão Executiva. O deputado Ruy Carneiro deve passar o comando para o também deputado Pedro Cunha Lima, o sucessor de Cássio na política.

Força do G10

O deputado Tião Gomes (Avante) foi anunciado como relator da Lei das Diretrizes Orçamentárias e da Lei do Orçamento. E não apenas de 2020, mas também de 2021. O G10 mostra sua força, mais uma vez.

Multando Detran

O Detran-PB deve devolver multa, cancelar qualquer registro negativo na pontuação da Carteira de Habilitação e indenizar em R$25 mil um motorista abordado inadequadamente em blitz da Lei Seca.

Má fé

O juiz Aluízio Bezerra Filho reconheceu abuso de autoridade do agente de trânsito. Mesmo sem constatar sinais de embriaguez, fez motorista assinar termo, apreendeu CNH, o veículo, e aplicou multa.

ZIGUE-ZAGUE

< Após decidir pelo seu “arquivamento”, ignorado pelo relator Alexandre de Moraes, Raquel Dodge voltou a se pronunciar contra inquérito que apura “ofensas” ao STF.

> A PGR apoiou medida cautelar solicitada pela Rede, para suspender o inquérito até que o plenário da Corte se pronuncie sobre o mérito da iniciativa de Dias Toffoli.