BESSA GRILL
Início » Colunistas » Previdência volta a pauta: Escrito Por Lena Rolim Guimarães 

Previdência volta a pauta: Escrito Por Lena Rolim Guimarães 

4/11/2017 11:13

Previdência volta a pauta: Escrito Por Lena Rolim Guimarães 

Por que um governo que tem apenas 4% de aprovação – na pesquisa que lhe é mais favorável -, que é consequência de um traumático processo de impeachment que dividiu o país, insiste em votar uma reforma da Previdência que vai ampliar sua rejeição?

 

A resposta do governo é que sem uma solução para o déficit da Previdência não haverá desenvolvimento sustentável. Que os erros de gestão que levaram a recessão que tanto custou ao país precisam ser corrigidos para garantir retorno dos investimentos e dos empregos.

 

Como o Congresso só deve funcionar até no máximo o dia 20 de dezembro, esse é o tempo que o governo tem para aprovar a reforma. Em 2018 as chances são zero.

 

A base governista não quer mais esse desgaste. Já livrou o presidente Michel Temer das duas denúncias da PGR. Não pretende aprovar medidas que os trabalhadores consideram perdas de direitos, mesmo que o estado brasileiro mostre que não tem como bancá-las.

 

A 11 meses do dia da eleição, os congressistas e seus partidos estão mais preocupados com a comunicação com os eleitores do que com as contas da Previdência.

Para aprovar qualquer mudança na Constituicão o governo precisa de 3/5 dos votos. São 308 deputados e 49 senadores. Um desafio em razão da proximidade das eleições, pois mesmo os que não estarão disputando cargos, como é o caso de 27 senadores que têm mandato até 2023, perderiam poder de transferir votos.

 

Por isso, cresce o debate em torno de uma proposta alternativa. O governo desistiria da reforma ampla e concentraria esforços em poucos pontos que poderiam ajudar nas contas públicas e serem compreendidos pela população. Seria o caso da idade mínima de 65 anos para homens e 62 anos para mulheres, com 25 anos de contribuição.

 

Os temas que enfrentam mais resistência, como regras para aposentadoria rural, benefício de prestação continuada (atende idosos com mais de 65 anos e pessoas incapacitadas para o trabalho) e pensões, ficariam para 2019, para o futuro presidente e o Congresso renovado.

 

O ministro Henrique Meirelles (Fazenda) tem dado declarações insistindo na proposta ampla, mas Temer já colocou negociadores em campo. Melhor vitória menor do que nenhuma

 

TORPEDO
São recorrentes os episódios de suspensão das atividades no Hospital Regional de Itabaiana por falta d’água acarretando sérios transtornos para a coletividade da região atendida.

Do deputado Bruno Cunha Lima (PSDB), ao cobrar do governador Ricardo Coutinho a reforma do reservatório do hospital.

 

Trânsito…
Primeiro, o TCE, atendendo ao conselheiro Nominando Diniz, decidiu investigar legalidade e necessidade da quantidade de redutores de velocidade na Capital, e as multas que já somam R$ 11 milhões neste ano.

… rentável
Agora, o Ministério Público, a pedido do deputado Anibal Marcolino, também vai abrir investigação. O parlamentar considera “absurdo” o valor arrecado com multas, e comparou: “é um verdadeiro caça-níquel”.

 

Tempo
Um ano após as eleições municipais, seis prefeitos já foram cassados pela Justiça na Paraíba. As decisões são por novas eleições em Mamanguape, Bananeiras, Triunfo, Barra de São Miguel, Junco do Seridó e Nazarezinho.

Tempo 2
Por outro lado, a 11 meses das próximas eleições gerais, ações questionando o resultado de 2014 para o governo do Estado continuam aguardando pronunciamento do TRE, como sempre lembra Cássio Cunha Lima.

 

ZIGUE-ZAGUE
+ Presidente estadual do PT e pré-candidato ao governo de São Paulo, Luiz Marinho admitiu que para ganhar eleição, partido deve rever decisão de não se aliar com “golpistas”.
+ O governador Fernando Pezão interpelou o ministro Torquato Jardim no STF. Exige que aponte os nomes dos agentes públicos que praticaram crimes no Rio. Briga grande.

www.reporteriedoferreira.com.br