Todos que me conhecem sabem que sou torcedor fervoroso do Vasco da Gama e do Botafogo da minha Paraíba.

Assim como a acessão do Belo a Série B, poucos eram aqueles que apostavam que o Vasco terminaria a temporada com uma vaga na Libertadores, já que muitos acreditaram no rebaixamento do clube. Nosso Belo, a duras penas e na última rodada, conseguiu permanecer na Série C, já o Time da Colina conseguiu classificar-se a Pré-Libertadores. Com investimento modesto e orçamento limitado, o clube não pôde investir muito para montar o elenco de 2017.

 

A última rodada do Brasileirão foi cheia de emoção e a definição sobre o rebaixamento, a vaga na libertadores e na sul-americana só foi definida nos minutos finais das partidas entre Chapecoense e Coritiba, e Vitória e Flamengo, culminado com o Atlético-GO, a Ponte Preta, o Coritiba e o Avaí rebaixados a Série B, e Corinthians, Palmeiras, Santos, Grêmio, Cruzeiro e Flamengo (fase de grupo da Libertadores), e Vasco e Chapecoense, (Pré-Libertadores e Atlético-MG, Botafogo-RJ, Atlético-PR, Bahia, São Paulo e Fluminense (Sul-Americana).

 

A curiosidade e o ponto alto ficaram a cargo do arquirrival do Gigante da Colina, pois, em caso de sagrar-se campeão da copa Sul-Americana, o Vasco alçará a condição de classificado direito a Libertadores da América. E aí surgiu o maior dilema entre os fanáticos torcedores vascaínos: torcer ou não pelo histórico rival, nos jogos da próxima quarta e do dia 13, contra o Independiente? O sempre polêmico e controverso presidente Eurico Miranda se manifestou dizendo: “Eu não torço para o Flamengo. E acabou. Que aconteça o que tiver que acontecer. Não tem nenhuma chance de eu torcer.”, muitos ilustres torcedores e até ex-jogadores também opinaram, a exemplo do ex-presidente Roberto Dinamite, de Edmundo e de Felipe, contudo não veem problema nenhum em torcer para o Flamengo.

 

De fato, costumo torcer, sem euforia, para todo e qualquer time brasileiro, quero vê-los sempre campões e levando o nome do nosso país ao ponto mais alto, exceto, lógico, quando se trata do rival carioca. Torci por exemplo para o Grêmio ganhar a Libertadores.

 

Sem juízo de valor aos quem pensam diversamente, não vou torcer para o arquirrival de jeito nenhum, o Vasco terminou em sétimo, ou seja, na Pré-Libertadores, e para ganhar é até bom jogar essa fase, pois vai pegando corpo para a fase de grupos.

 

Neste caso, a rivalidade bate mais forte e mesmo que isso implique em dificuldades para o Vasco, nunca torcerei para o rival, isso são coisas do coração e do futebol e só quem é torcedor sabe.