BESSA GRILL
Início » Colunistas » DIVINO MARAVILHOSO: Escrito Por Rui Leitao

DIVINO MARAVILHOSO: Escrito Por Rui Leitao

24/01/2019 21:24

DIVINO MARAVILHOSO: Escrito Por Rui Leitao

Essa é uma das mais conhecidas canções do movimento tropicalista. Foi composta por Caetano em parceria com Gilberto Gil em 1968, para o III Festival da MPB da tv Record. Foi interpretada no certame por Gal Costa, exatamente trinta dias antes da edição do AI-5. Contrariando os que achavam que o tropicalismo era reacionário, “Divino Maravilhoso” apresentou-se como uma canção manifesto. É um rock com uma letra forte e vibrante. Por isso seu refrão foi muito aproveitado nos movimentos de mobilização popular contra a ditadura.

“Atenção ao dobrar uma esquina/uma alegria, menina/você vem, quantos anos você tem?”…”Atenção para o refrão/é preciso estar atento e forte/não temos tempo de temer a morte”.

A situação política que o Brasil vivia naquele ano, 1968, exigia de todos nós ficarmos bastante alertas para tudo o que acontecia ao nosso redor. Como a liberdade de agir e de pensar era cerceada, os compositores começam chamando a atenção de uma menina para que ela observe com cuidado o que possa estar ocorrendo na rua, assim que dobrar a esquina. A alegria que possa estar experimentando, não pode tirar sua concentração para as coisas do mundo. Deve estar sempre pronta para enfrentar surpresas desagradáveis, Afinal, ela parece ser ainda uma menina, daí a pergunta de qual seria a sua idade. Precisa estar de olhos vivos para perceber o perigo, tanto na luz do sol, quanto na escuridão.

Insiste em adverti-la que deve prestar atenção em tudo, porque onde esteja o que achamos lindo e maravilhoso, pode estar também o perigo disfarçado. E dão ênfase ao refrão: “é preciso estar atento e forte, não temos tempo de temer a morte”. A mensagem de encorajamento para enfrentar a repressão da ditadura. O amor à causa exigia que todos se mantivessem vigilantes e fortes, e, principalmente, com o destemor que não daria oportunidade para temer a morte. Ninguém devia deixar de prestar atenção na estrofe e no refrão. Considerar o que poderiam dizer subliminarmente os palavrões ou as palavras de ordem.

O refrão cantado em 1968 se encaixa bem no momento político nacional de agora. “É preciso estar atento e forte/não temos tempo de temer a morte”. Portanto, “Divino Maravilhoso” é uma canção atualíssima.

• Integra as crônicas inspiradas em letras das canções de Caetano Veloso do livro ‘CAETANEANDO”, programado para ser lançado no final deste ano.

www.reporteriedoferreira.com.br