Na verdade, o ‘dia das crianças’ tem caído com o comércio das cidades e, até promoções importantes com pagamentos parcelados, sem o que ninguém suportaria nesses poucos dias, de escolhas ruidosas nos balcões bem abertos, desde a calçada das lojas e supermercados, até o setor do caixa onde todos pagam, levando seus presentes para casa. Para facilitar os familiares na escolha vai desde bonequinhas e roupas especial para meninas e, de outro lado, vão as bolas de borracha para a gurizada jogar nas ruas, praças, praias e campinhos improvisados, chegando até no quintal das casas. E os problemas das bolas chutadas com força para cima, eram sempre queixas imediatas dos vidros das janelas e portas, sem aparecer o craque infantil de futebol, queassumiria a responsabilidade, via seus pais! Um detalhe me faz lembrar, que os jogadores de todos timinhos daqueles tempos saudosos, também chutavam sem nenhum sapatos nem chuteiras, formando calos nos pés e, quando a maioria doía muito, furávamos com um palito ou mesmo um friso tirado dos cabelos de alguma mãe gentil!

As crianças dos anos sessenta, tinha o direito de colher coco-verde das praias, frutas plantadas em todos os cantos das cidades, a exemplo dojambo que derramava um lindo tapete vermelho levando a gurizada a passava por várias vezes, em cima. Das outras frutas e flores,eu gosto demais aoliveira é nome científicoOleaeuropeaeque é resultado do azeite e das azeitonas e, segundo revistas e livros, ser algo sobre a longevidade das bichinhas, em Israel, nos dias atuais, devam ter mais de 2500 anos de idade. E, para completar, em Santa Iria de Azóia, Portugal, existe uma oliveira de 2850 anos, que muitos desejam ver. Aqui em João Pessoa (PB), ao redor do Parque Solon de Lucena, popularmente me fiz destacar, para andar pelas trilhas da preciosa Lagoa, apanhando ao redor do fruto, as árvores públicas do cinzento-esverdeados e de estatura curtas. Foi lá, onde eu balançava, com um pau roliço e longo, as oliveiras que, ainda hoje,fazem os meninos de ruas.

Curiosamente, tive a impertinência de saber quem teria a iniciativa do que inventar “O Dia das Crianças no Brasil” sendo um político, Deputado Federal Galdino do Valle Filho, na década de 1920, e levantando dois anos depois, coube ao presidente Arthur Bernardes, determinar a edição do Decreto n.º 4867, de 5 de novembro de 1924. Muitos países, comemoram o Dia das Crianças, sob a vantagem de rotular o dia 20 de novembro, no reconhecimento do dia Universal das Crianças, também comemorando o ato de Declaração dos Direitos das Crianças, a fim de estabelecer que toda criança deve ter proteção e cuidados especiais, antes e depois do nascimento. E foi no Rio de Janeiro, então capital do Brasil, sempre linda, sediou o 3º Congresso Sul-Americano da Criança, na pujança do povo das Américas.

Para mim, ser criança e viver sem medo de nada, e muita alegria sensata entre os familiares. Trago o texto do cientista, químico e bacteriologista francês: “Quando vejo uma criança, ela inspira-me dois sentimentos: ternura, pelo que é, e respeito e, que posso vir a ser”– Louis Pasteur

 

www.reporteriedoferreira.com  (*) Marcos A. Souto Maior