BESSA GRILL
Início » Cidades » O IMPÉRIO DOS CARTOLAS: Francisco Nóbrega dos Santos

O IMPÉRIO DOS CARTOLAS: Francisco Nóbrega dos Santos

21/07/2014 23:40


nobrega-santosO IMPÉRIO DOS CARTOLAS

Francisco Nóbrega dos Santos

 

O Brasil, neste mês de Junho, viveu um clima de euforia e êxtase. Euforia por ter trazido para dentro desse imenso território um dos maiores eventos da Historia da Humanidade. Não obstante os protestos de um povo oprimido e o oportunismo e os estragos provocados pela bandidagem, que pegou uma carona nos movimentos sociais e causaram danos ao patrimônio público, cuja conta será dessa nação rica e explorada.

Não esquecendo de reprisar, o País deu uma demonstração ao mundo de que, quando há interesse financeiro para uma cúpula, tudo é possível. É possível mostrar que, quando querem existe segurança, bem estar e festas, não só para os tupiniquins, como para uma  imensa massa que se deslocou dos mais longínquos  continentes, para tornar grandiosa a festa das multidões., provou que, quando desejam, oferecem uma infraestrutura de 1º Mundo, mesmo de forma descartáveis, obras monumentais a serem vistas e elogiadas pelos turistas e desportistas, que vieram ver de perto, um País de rara beleza.

A Organização da Soberana FIFA deu um exemplo de Justiça, quando, em julgamento rápido e sumário aplicou uma pena ao Jogador do Uruguai que agrediu com a boca (não de forma verbal) o jogador da Itália, o que culminou com uma pesada pena de ser alijado do Futebol, ou seja, punido do trabalho, o atleta agressor.

No Brasil, pelo contrário, os que morderam o País, com garras afiadas, ficaram livres para o exercício do trabalho no mercado, onde se registra o maior índice de desemprego. Assim, pelas leis do Brasil, os corruptos podem ter o direito de  liberdade, ou penas suaves, enquanto pela República Independente da FIFA, não há contemplação. Salve FIFA. Salvem o Brasil. Pois o maior protesto é o voto, sendo esse é exercido sem violência e sem “quebra quebra” , pois o sufrágio é de graça e também não constitui vingança privada e sim justiça pública.

Por outro ângulo, os mandatários do País da Bola, sem nenhum receio, ficaram com uma considerável parcela dos gastos superfaturados com essas obras ocasionais.
A Copa do Mundo, diga-se de passagem, foi um verdadeiro sucesso para os mandatários e políticos profissionais, que viveram a ocasião de obter do povo, os recursos para a campanha eleitoral, que se torna cada vez mais cara, em razão de uma ampla divulgação através da mídia, dessa farra incontrolável dos que detêm o poder de mando e de compra, pois os escândalos divulgados tornaram o preço do voto mais caro.
Passado o entusiasmo da festa, com o balanço positivo dos lucros da FIFA e das autoridades e da cartolagem, todos deixarão o País. Uns com alegria e frustrações por não terem alcançado seus objetivos. A FIFA e seus apaniguados, contam os lucros, deixam as migalhas para o futebol, sem esquecer de liberar o Brasil da soberania que lhe fora usurpada, ao longo desses dias.
Passadas as festividades. O Brasil volta ao rumo normal; a fome, a miséria e, sobretudo o aumento do índice dos preços da cesta básica e da criminalidade.
Um recado animador para o povo. Vêm aí 2016, uma reprise da farra.