BESSA GRILL
Início » Cidades » O FAROL DO CABO BRANCO: Escrito por Rui Letão

O FAROL DO CABO BRANCO: Escrito por Rui Letão

22/07/2015 08:22

]
11182059_1439363383041226_3830579055371020595_n
O FAROL DO CABO BRANCO: Escrito por Rui Letão

Em 1972, João Pessoa ganhou mais um dos seus cartões postais. Era inaugurado no dia vinte e um de abril, o monumento que passou a ser conhecido como, o Farol do Cabo Branco. Na verdade, nunca teve a função de servir como orientação de navegação marítima. Foi construído com o propósito de se definir, como o marco de ser o ponto mais oriental das Américas.

Localizado na falésia do Cabo Branco, o projeto é de autoria do arquiteto paraibano Pedro Abraão Di…

Quase sempre nossos primeiros amigos na vida são os primos. Ainda mais quando somos criados num ambiente em que a instituição família é valorizada. São os companheiros de infância, que permanecem unidos durante todo o curso da nossa vida. Isso se torna mais verdadeiro entre primos na mesma faixa etária.

Comigo não foi diferente. Nossa família é bastante numerosa, mas dois dos primos se tornaram mais próximos na convivência desde crianças. Crescemos juntos e nunca perdemos o contato, mesmo após nos desligarmos pela distância geográfica. Compartilhamos brincadeiras, sonhos, peraltices, a medida que íamos crescendo. Na adolescência fomos confidentes, solidários e camaradas. Ao alcançarmos a fase adulta e donos do próprio nariz, tomamos destinos diferentes, nos tornamos profissionais e constituímos famílias, mas sem jamais romper esse elo e afetividade construída na infância.

Agora, já sexagenários e avôs, ficamos saudosamente trazendo à memória os momentos agradáveis que passamos juntos. O importante é que essa amizade se consolidou de tal forma que nos julgamos mais do que primos, quase irmãos.

Falo de Roosevelt e Ubirajara, filhos de tio Leitão e tia Socorro, respectivamente. Nascemos praticamente no mesmo ano. Não me lembro de divergências, que mereçam referência, durante o tempo de nosso convívio. Algumas vezes ocasionaram diferenças na opção política, mas que nunca tiveram a força de prejudicar a nossa relação de amizade. No futebol torcemos por times diferentes. Eu sou flamenguista, Ubirajara é Fluminense e Roosevelt era Bangu, não sei se é ainda, mas também isso nunca foi motivo de brigas. A internet tem permitido a que, não obstante morarmos em cidades distantes (os dois residem em Brasília), estejamos sempre nos comunicando, trocando idéias, dando notícias, realimentando essa amizade fraternal.

Imagino que entre os leitores muita gente se coloque em situação igual, recordando-se dos bons tempos de convivência com primos que se tornaram quase irmãos.

• Integra a série de textos “INVENTÁRIO DO TEMPO II”.

www.reporteriedoferreira.com