BESSA GRILL
Início » Cidades » O CASAMENTO: Escrito por Rui Leitão

O CASAMENTO: Escrito por Rui Leitão

25/08/2015 00:25

11222909_1477259012584996_2476001804344329197_nO CASAMENTO: Escrito por Rui Leitão

Ao completar meus vinte e cinco anos de idade, profissionalmente bem situado, pois ocupava uma gerência do Paraiban, entendi que era chegada a hora de dar um novo encaminhamento à minha vida. Já estava namorando uma colega de banco há dois anos. Tínhamos alcançado um estágio no relacionamento que nos estimulava a “juntar as escovas de dentes”, como se diz popularmente quando se quer referir ao ato de casar.

O enlace matrimonial aconteceu no dia dezessete de julho de 1975, com cerimônia religiosa na capela do Colégio Pio X. Robelia passou a ser a partir de então, a pessoa com quem dividi por vinte anos, instantes de prazeres, mas também de preocupações. Vivemos juntos sonhos e frustrações. Compartilhamos momentos alegres e tristes. Pactuamos responsabilidades na administração do lar que constituímos.

Dessa união, recebi três grandes presentes na minha vida. Robélia é a mãe de minhas primeiras três filhas: Candice, Cristiane e Cibelle, razões maiores de tudo o que faço hoje, ao lado de Vanessa, a caçula, fruto de um outro casamento.

Não adianta aqui entrar nas motivações do fim de nosso casamento. O que importa é que, superados os traumas comuns em qualquer separação, retomamos uma relação de amizade que a cada dia se fortalece mais. As circunstâncias terminaram por revelar, com muito maior ênfase, aos meus olhos, uma mulher forte, corajosa, de uma personalidade merecedora de admiração e respeito. Se o amor conjugal acabou, nunca morreu o apreço, o sentimento de afeto e amizade, marcados por um ensinamento que nos é transmitido com a própria experiência de vida, o traçar dos nossos destinos, mesmo que distantes fisicamente um do outro. Mãe devotada, enfrentou as vicissitudes naturais de um rompimento entre casais, com a dignidade de quem sabe superar as surpresas da vida, por mais indesejáveis que sejam.

Estou vivendo a terceira experiência da instituição casamento. Cada um deles com a sua história. Cada um deles com as suas singularidades. Cada um deles com as suas motivações. Acredito mesmo que já aprendi o suficiente para procurar ter a sabedoria que me faça preservar o atual relacionamento, sabendo compatibilizar as diferenças porventura identificadas num casal, de forma a que não se construam razões de ruptura que só trazem perdas para ambos.

Completaríamos quarenta anos de casados neste ano, se a nossa história em comum não tivesse sido rompida vinte anos depois. Mas vejo essa data em comemoração. Afinal de contas foi naquele dia que dei um passo de muita importância na minha vida, com a construção do meu maior tesouro, as filhas que esse casamento me deu, e cinco netos. A Robélia, aqui o registro de minhas homenagens. Ela é realmente uma mulher extraordinária, que se fez presente de maneira inesquecível na história da minha vida.

• Integra a série de textos “INVENTÁRIO DO TEMPO II”.

www.reporteriedoferreira.com