BESSA GRILL
Início » Cidades » Número de PMs presos acusados de homicídio cresce 115% em São Paulo

Número de PMs presos acusados de homicídio cresce 115% em São Paulo

Com a prisão de 13 policiais no começo desta semana, subiu para 28 o total de PMs detidos este ano pela Corregedoria da Polícia Militar do Estado de São Paulo acusados de homicídio.

14/12/2012 03:33

 

 

Com a prisão de 13 policiais no começo desta semana, subiu para 28 o total de PMs detidos este ano pela Corregedoria da Polícia Militar do Estado de São Paulo acusados de homicídio. Este número representa um aumento de 115% em relação a todo o ano de 2011, quando houve 13 prisões.

Segundo o major Marcelino Fernandes da Silva, em todos os casos há suspeita que os registros de resistência seguida de morte –quando o policial alega que o suspeito resistiu à prisão e acabou baleado– foram forjados.

MAPA DE HOMICÍDIOS CRIA SUSPEITA SOBRE GRUPOS DE EXTERMÍNIO

Na segunda-feira (10), sete policiais foram presos acusados de matar três jovens em Parada de Taipas, zona norte da cidade, em 12 de julho. Os PMs alegaram que houve troca de tiros, mas cinco testemunhas desmentiram o fato.

Na tarde de domingo (9), a Corregedoria deteve outros seis PMs suspeitos de assassinar Maycon Rodrigues de Moraes, 19, e balear outro rapaz na zona norte de São Paulo. Testemunhas ouvidas pela Polícia Civil afirmaram que os jovens não ofereceram resistência alguma durante a abordagem.

Para Martim de Almeida Sampaio, coordenador da comissão de Direitos Humanos da OAB-SP (Ordem dos Advogados do Brasil – Seção de São Paulo), o aumento no número de policiais presos por homicídio indica que “a tropa está fora de controle”.

Segundo ele, a troca do secretário de Segurança Pública não resolve o problema da letalidade da polícia.

“O que solucionaria o problema seria mudar a mentalidade da corporação, que se enxerga como uma força de combate. Eles não trabalham na ótica da sociedade de direito, com respeito aos direitos humanos. E se 28 foram presos, me pergunto quantos casos não foram investigados”.

Folha