BESSA GRILL
Início » Cidades » ABACAXI: Escrito por Marcos Souto Maior

ABACAXI: Escrito por Marcos Souto Maior

19/03/2014 22:21

maros-souto-maior-158x2001ABACAXI

Escrito por Marcos Souto Maior / in Marcos Souto Maior

 

A depender da presença das chuvas que mantém as águas nos rios e reservatórios, o nordeste, tem deliciosas frutas de época, algumas até sendo exportadas para diversos países a exemplo da manga, laranja, goiaba, abacate e abacaxi, que são vistas, tanto em feiras livres quanto nos hipermercados. São frutas especiais de clima tropical, a exemplo do nosso Brasil que desfruta do privilégio, ao lado da Costa Rica, Filipinas, Tailândia, Índia, China e Indonésia. Demais países, não se adaptam em regiões de clima frio. Ananas Comusus é o nome científico da fruta brasileira que teve origem na América Latina. Há quem diga que o suco de abacaxi fora servido numa recepção para o poderoso Cristóvão Colombo, na sua chegada a Ilha de Guadalupe, localizada no Novo Mundo!

 

Nossa rica fruta se apresenta com casca grossa e espinhos, com uma calda suculenta de grande quantidade de água e fibras. Além do suco é também muito utilizado em sorvetes, cremes, geleias, bolos e outros alimentos. Desenvolvem boas quantidades de vitaminas A, B e C, por ser fruta cítrica, ainda protege o organismo de infecções e resfriados, com boa quantidade de sais minerais e, de quebra, ajuda à viscosidade do sangue. Finalmente, aviso aos gordinhos que não é fruta calórica. E minha Paraíba é o estado campeão com mais de trezentas mil frutas!

 

O nome abacaxi, em português, é originário da tribo indígena Tupi Guaraní que chamava de Ibacati, na sua língua original. Engraçada a gíria brasileira, deu interpretação como algo com muito risco, temerário, azarento e desagradável. Daí vem à gíria da carga de abacaxi significando suas origens de espinhoso e perigoso em descascá-lo, sem que tivessem possibilidade das farpas ferirem os dedos e mãos. O saudoso Chacrinha em seu programa semanal de televisão, quando o calouro cantava mal, tocava a buzina e entregava o prêmio de consolação, denominado “Troféu Abacaxi”.

 

Ainda hoje, recebendo de mão aberta, um cargo público comissionado para fiscalizar e punir legiões de aspones, em vez de parabéns, os cumprimentos são de pura gozação para o nomeado, por ter entrado numa fria ou numa gelada. E no mundo militar, policial e dos bandidos, estar com granada na mão é o mesmo que significar que entrou numa embrulhada!

 

Tem muita gente mandando e mamando no país, sem assumir as leis vigentes, é factível que a pesada carga de abacaxi nas costas poderá apodrecer, com o passar do tempo, confiando na sonolenta marcha processual administrativa e judicial, em todos os níveis.

 

Quem tem juízo, não se arrisca a pegar num abacaxi espinhento, que seria a mesma coisa de um descarte de sete seco num jogo Sueca de baralho. Na política também é assim, falta ética, legalidade e bons propósitos com o calor frenético da vaidade, orgulho, prepotência.

 

Super abacaxi vai queimar as mãos dos magistrados eleitorais que conduzirão eleições para Presidente da República, Governadores, seus respectivos Vices e Deputados. De olho nos fichas sujas, na compra escancarada de votos e nas distribuições de tudo que for interessante e de valor aos recebedores. Os pré-candidatos já estão, cuidadosamente, juntando suas respectivas cargas de abacaxi para passarem por cima de tudo e de todos. E saiam da frente que os caminhões abarrotados já vêm cheios e sem freios!

 

(*) Advogado e desembargador aposentado