Fabricante de oxigênio diz enfrentar crise sem precedentes no Amazonas

Uma das maiores fornecedoras de oxigênio hospitalar no Brasil, a empresa White Martins, afirmou que enfrenta um “cenário de crise sem precedentes” e que “vem se agravando a cada dia”, particularmente no Amazonas. No estado, a disseminação do novo coronavírus (SARS-CoV-2) e o aumento exponencial do número de casos da covid-19 sobrecarregou as unidades de saúde da capital, Manaus. A escalada da doença causou a falta de oxigênio medicinal em hospitais públicos e privados.

Segundo a empresa, o aumento da demanda por oxigênio hospitalar no estado alcançou os 70 mil metros cúbicos (m3)  por dia esta semana. Isto equivale a quase o triplo dos 25 mil m3/dia que a empresa conseguia produzir diariamente em sua fábrica de Manaus até recentemente.

A título de comparação, a White Martins explica que, antes da confirmação do primeiro caso de covid-19 no Brasil, no final de fevereiro de 2020, a fábrica utilizava apenas metade de sua capacidade produtiva. “Isso era suficiente para atender a todos os clientes dos segmentos medicinal e industrial que, juntos, somavam um consumo da ordem de 10 a 15 mil m3/dia”, informou a empresa, em nota. Mesmo durante o pico da primeira onda da doença, entre abril e maio de 2020, o consumo estadual do produto não superou os 30 mil m3/dia.

Intimada pela Justiça do Amazonas a manter o fornecimento a um hospital particular de Manaus de “quantidades suficientes” de oxigênio, a empresa afirma que já ampliou “até o limite máximo da capacidade de produção da planta [industrial] de Manaus”, elevando-a para 28 mil m3/dia – o que não basta para suprir o atual consumo conjunto de cinco hospitais da capital amazonense.

Venezuela

Para fazer frente a crise, a White Martins afirma estar adotando uma série de medidas, entre elas a importação de parte do oxigênio que produz na Venezuela.

Ontem (14), o ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza, confirmou, por meio das redes sociais, que conversou com o governador do Amazonas, colocando à disposição todo o oxigênio necessário “imediatamente”.

Também nas redes sociais, Wilson Lima agradeceu a ajuda da Venezuela e dos estados brasileiros que ofereceram apoio. Pacientes diagnosticados com a covid-19 estão sendo transferidos de Manaus para hospitais de outras oito unidades da federação (Ceará, Goiás, Pernambuco, Piauí, Maranhão, Distrito Federal, Paraíba e Rio Grande do Norte).

Covid-19 - Pacientes do Amazonas são transferidos para outros Estados
Covid-19 – Pacientes do Amazonas são transferidos para outros Estados – Divulgação/Força Aérea Brasileira (FAB)

Reativação

Além de importar o produto da Venezuela, a White Martins estuda reativar sua antiga fábrica em Manaus, desativada desde 2009, quando a atual começou a operar. Funcionários da empresa estão avaliando o estado de conservação dos equipamentos e as medidas necessárias para que a unidade comece a operar – o que a White Martins espera que aconteça entre 30 e 45 dias. Com isso seria possível produzir mais cerca de 6 mil m3 de oxigênio/dia.

A pedido da empresa, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou a White Martins a produzir oxigênio medicinal a 95% – um percentual de pureza inferior aos atuais 99% – e distribuí-lo às unidades da rede estadual de saúde. Válida por 180 dias, a medida permitirá o aumento da sua capacidade de fabricação. Segundo a White Martins, a “flexibilização” do percentual poderá aumentar a capacidade produtiva da planta de Manaus em aproximadamente 2.000 metros cúbicos diários.

Logística de guerra

Há, no estado, outros fornecedores locais de oxigênio, mas eles atendem a uma pequena parcela da demanda. Uma delas, a Nitron da Amazônia, também já foi acionada na Justiça para manter o fornecimento aos hospitais da Unimed de Manaus

Segundo representantes dos governos federal e estadual, a incapacidade da fábrica da White Martins atender, praticamente sozinha, a toda a atual demanda do estado é agravada pelas dificuldades logísticas para fazer com que o produto proveniente de outros estados cheguem a Manaus.

Parte das adversidades vem sendo enfrentada com a ajuda da Força Aérea Brasileira (FAB). Ao longo da última semana, aviões cargueiros militares já transportaram ao menos 350 cilindros e 12 isotanques contendo oxigênio. De acordo com o Ministério da Defesa, a ação exige uma verdadeira “logística de guerra”.

Ontem a noite, a Justiça Federal do Amazonas deu prazo de 24 horas para que a União e o estado do Amazonas apresentem um plano urgente para resolver o desabastecimento de oxigênio na rede de saúde, de modo a “garantir o direito fundamental à vida durante a pandemia”.

Apreensões

Policiais civis e militares apreenderam na tarde desta quinta-feira, em Manaus, um caminhão com 33 cilindros de oxigênio, dos quais apenas sete estavam vazios. Segundo a Polícia Civil, o produto estava sendo vendido de forma irregular, por preços superiores aos habituais.

Em nota, a Polícia Civil informou que um homem de 38 anos foi detido e deve responder judicialmente por reter produtos para especulação. Ao ser interrogado, o homem teria dito que é dono de uma empresa que comercializa cilindros de oxigênio. Com medo de que alguém invadisse o estabelecimento em busca do material, decidiu colocar os cilindros em um caminhão que estacionou distante da empresa.

Dos 26 cilindros que continham o produto, 11 foram destinados ao Hospital Beneficente Português; seis para a Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas; seis para o Hospital São Raimundo e três para o Coroado. De acordo com a Polícia Civil, o homem detido afirmou que o oxigênio tinha sido envasado na quarta-feira (13).

www.reporteriedoferreira.com.br   Por Agência Brasil




Maia diz que discutir impeachment de Bolsonaro será “inevitável no futuro”

Para o presidente da Câmara, agora é o momento de “focar no principal”, que é “salvar o maior número de vidas”

Rodrigo Maia%2C presidente da Câmara
Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Rodrigo Maia, presidente da Câmara

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), não descartou a possibilidade de discussão de um processo de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), mas jogou a responsabilidade para colocar o assunto em pauta pelo seu sucessor. O parlamentar afirmou que essas discussões seriam inevitáveis “no futuro”.

“Eu acho que esse tema de forma inevitável será discutido pela Casa no futuro. Temos de focar no principal, que agora é salvar o maior número de vidas, mesmo sabendo que há uma desorganização e uma falta de comando por parte do ministério da Saúde”, disse Maia ao participar de entrevista coletiva ao lado do governador de São Paulo, João Doria (PSDB).

Continua após a publicidade

Maia defendeu que, neste momento, a prioridade é retomar os trabalhos da Câmara e do Senado, que estão em recesso desde dezembro. Essa foi a justificativa dada por Maia para não discutir e protocolar um processo de impedimento neste momento.

www.reporteriedoferreira.com.br  Por Ig




Trump planeja deixar Washington na manhã de 20 de janeiro, dia da posse de Biden, diz fonte

O presidente dos EUA, Donald Trump — Foto: Gerald Herbert/AP Photo

O presidente dos EUA, Donald Trump — Foto: Gerald Herbert/AP Photo

O presidente Donald Trump planeja deixar Washington na manhã do dia da posse, 20 de janeiro, após considerar sua partida em 19 de janeiro, disse uma fonte familiarizada com o assunto nesta sexta-feira (15).

Trump, um republicano, que já havia anunciado planos de não comparecer à posse do presidente eleito, o democrata Joe Biden, está planejando um evento de despedida na Base Andrews, nos arredores de Washington, onde fica o avião Força Aérea Um, disse a fonte.

Dia da posse

Com 21 mil soldados da Guarda Nacional a serem enviados e com bairros inteiros entrincheirados, a cidade de Washington está sob forte vigilância por causa de ameaças de novas manifestações de seguidores de Trump.

“Estamos preocupados com os riscos de violência nas inúmeras manifestações previstas para os próximos dias em Washington e em frente a prédios do governo nos estados”, que podem atrair indivíduos armados, explicou o diretor do FBI (a Polícia Federal americana), Christopher Wray, na quinta-feira (14).

Durante uma reunião com o vice-presidente em final de mandato, o republicano Mike Pence, Wray mencionou “uma quantidade significativa de discussões preocupantes na Internet”.

“Atualmente, vigiamos as convocações para manifestações armadas e ações até a posse”, afirmou. Ele ainda avalia quais são as ameaças graves.

A polícia e o Exército estão sendo criticados por sua falta de preparo antes da manifestação dos seguidores de Trump em 6 de janeiro. Centenas de pessoas invadiram o Capitólio. Pelo menos cinco pessoas, incluindo um policial, morreram nos distúrbios.

A invasão levou a um pedido de impeachment de Trump julgado na quarta-feira, no Congresso, sob a acusação de “incitação à insurreição”. Os dez deputados republicanos que votaram a favor do pedido de “impeachment” estão recebendo proteção reforçada desde então.

“Os colegas agora se deslocam com escoltas armadas”, disse um deles, Peter Meijer, à emissora MSNBC na quinta-feira (14). “Achamos que há pessoas que podem tentar nos matar”, acrescentou.

Planos para os próximos dias

Segundo um recente relatório interno do FBI, citado pela imprensa americana, um “grupo armado identificado” se prepara para “invadir” edifícios do governo em todos os 50 estados dos EUA e na capital nos próximos dias até a posse do presidente democrata.

O FBI menciona especialmente o movimento de extrema direita Boogaloo, que defende a guerra civil para derrubar o governo, e cita ameaças confiáveis nos estados de Michigan e Minnesota.

Na capital federal, Washington, D.C., 21 mil guardas nacionais serão mobilizados para a posse. Isso significa mais soldados do que no Iraque e no Afeganistão juntos, declarou o general Daniel Hokanson, chefe do escritório da Guarda Nacional do Pentágono.

Não venham

A missão dos reservistas está limitada, porém, a um apoio logístico à polícia, e eles estarão autorizados a efetuar prisões apenas como último recurso, segundo o Departamento da Defesa – ainda que estes soldados estejam armados.

Trump também confirmou, na quarta-feira (13), que foi informado de “ameaças potenciais” em relação às manifestações “nos próximos dias, em Washington e no país”.

O presidente republicano pediu calma a seus seguidores, destacando o direito dos americanos de se manifestarem pacificamente.

“Peço que não haja violência, que não cometam crimes e que não haja vandalismo”, afirmou na quarta-feira.

Tanto em Washington quanto nos estados vizinhos de Maryland e Virgínia, as autoridades fazem todo o possível para dissuadir a população de comparecer à posse, que acontecerá nas escadas do Congresso.

A oferta de hospedagem será limitada, devido ao provável fechamento de alguns hotéis, comentou, na quarta-feira, a prefeita de Washington, a democrata Muriel Bowser. Ela já havia pedido aos americanos para não viajarem para a capital para a posse.

A plataforma de aluguel de residências particulares Airbnb anunciou o cancelamento e o bloqueio das reservas na capital durante a semana que vem.

Já a companhia aérea Delta advertiu, ontem, que os passageiros que voarem para a capital não poderão transportar arma na bagagem a partir de sábado (16).

Vídeo mostra momento em que policial rodoviário federal é assassinado, no Recife

www.reporteriedoferreira.com.br  Por G1



Vereadores da Capital se reúnem com Ronaldo Guerra, presidente do Cidadania

Na tarde desta quinta (14), os vereadores do Patriotas de João Pessoa, Marcílio do HBE, Tarcísio Jardim e Carlão pelo Bem, estiveram reunidos com o presidente do Cidadania e Chefe de Gabinete do Governador, Ronaldo Guerra.

Em postagem nas redes sociais, o vereador Marcílio do HBE, destacou a “unidade por João Pessoa”, em foto ao lado de Tarcísio, Carlão e Ronaldo Guerra.

Foto: Reprodução Instagram

Na ocasião, o vereador apresentou seus projetos para a cidade de João Pessoa nas áreas de educação, esportes e políticas públicas para a juventude.

www.reporteriedoferreira.com.br

 




Azevêdo nomeia irmão de Adriano Galdino como Secretário de Articulação Política da PB

O governador João Azevedo (Cidadania) nomeou via a edição do Diário Oficial do Estado desta quinta-feira (14), o ex-vereador de Campina Grande, Murilo Galdino, irmão do presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba, o deputado Adriano Galdino (PSB), como secretário de Articulação Política do Estado.

Murilo Galdino vai atuar no lugar do deputado Jutay Menezes (Republicanos), que retornou para a Assembleia Legislativa da Paraíba após renuncia de Nabor Wanderlei que foi eleito prefeito de Patos.

Murillo Galdino foi vereador de Campina Grande entre 2012 e 2016, atualmente atuava como executivo na mesma secretaria e é presidente municipal do Cidadania na cidade de Cabedelo.


Redação




Prefeito e vice-prefeito da Capital anunciam que ginásios serão usados para vacinação contra covid

Prefeito em reunião por videoconferência com ministro da Justiça definiu que vacinação começa Cícero Lucena anuncia que 22 ginásios serão usados para vacinação contra Covid-19

O prefeito de João Pessoa, Cícero Lucena, e o vice-prefeito, Leo Bezerra, se reuniram por videoconferência, no final da manhã desta quinta-feira (14) com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e prefeitos de todo o País para definições sobre o Plano Nacional de Vacinação contra a Covid-19. No encontro, definiu-se que ficará a cargo dos municípios a logística de armazenamento e aplicação das doses.

Cícero Lucena garantiu que a cidade vai estar preparada para o início imediato da imunização. “Já traçamos todas as estratégias necessárias para que possamos fazer a nossa parte, que é armazenar em nossa rede fria, bem como a aplicação em postos que serão devidamente informados à população para que possamos de forma rápida atender os grupos prioritário, no qual incluiremos profissionais da educação”, informou.

De acordo com o secretário municipal da Saúde, Fábio Rocha, 22 ginásios esportivos já foram contatados para servirem de espaço de vacinação. “A aplicação também será feita nos hospitais e à domicílio nos casos em que isso for necessário”, afirmou.

O secretário de Saúde e a secretária executiva Rossana Sá também participaram da reunião remota. A definição das prioridades vai atender à legislação federal, sendo iniciada pelos grupos de risco.

No encontro ainda ficou definido que o Governo do Estado será responsável pelo transporte e pela compra de agulhas e seringas e que ficará a cargo do Governo Federal a aquisição das doses. Serão oito milhões neste primeiro momento. Dois milhões chegarão ao país em 48 horas, vindos da Índia com selo da AstraZeneca. Outras seis milhões de doses da Coronavac estão em produção.




Obras do Palácio da Justiça serão retomadas na segunda-feira,18

As obras de restauração do sistema de cobertura do Palácio da Justiça serão retomadas a partir da próxima segunda-feira (18), com trabalhos realizados por nova empresa vencedora de licitação promovida pela Superintendência de Obras do Plano de Desenvolvimento do Estado (Suplan). Representantes da empresa responsável e da Suplan visitaram, nessa quarta-feira (13), o prédio histórico do Poder Judiciário estadual.

O gerente de Engenharia e Arquitetura do TJPB, Francisco Leitão, explicou que a visita ocorreu para dar a ordem de serviço e os reparos serem iniciados imediatamente. “A equipe foi apresentada à segurança do Tribunal, para haver o controle de entrada e saída dos trabalhadores. A obra não será realizada pelo Tribunal, mas em parceria com o Governo do Estado, através da Suplan. Os serviços começaram a ser executados no ano passado, mas a empresa não pôde prosseguir e, por isso, a Suplan fez uma nova licitação”, explicou.

De acordo com Francisco Leitão, os serviços serão retomados na parte mais antiga, chamada de Bloco A, onde será refeita a totalidade da cobertura, com troca de madeira, telhas, calhas e rede pluvial. “Além disso, a parte elétrica também será refeita. A empresa fará, ainda, toda a rede de cabeamento estruturado e telefonia, o SPDA (Sistema de Proteção a Descargas Atmosféricas), a rede de proteção e combate a incêndio e a construção de uma subestação de 600KVA abrigada. Dessa forma, o prédio será totalmente desinterditado”, salientou.

Na próxima etapa das obras, serão realizados os serviços de pintura e restauração do prédio. No ano passado, já foram realizados os reparos nos blocos B, C e D, especificamente na parte da coberta. “Restam, ainda, a parte elétrica desses blocos, bem como a parte de combate a incêndio em todo o palácio, sistema de lógica e SPDA”, explanou o gerente de engenharia do TJPB.

Expectativa – Para Francisco Leitão, a expectativa principal é a desinterdição do prédio para que se possa dar início à restauração. “O desejo é que ele seja reutilizado novamente e possamos, logo, voltar às atividades e a ser ocupado pelos servidores e magistrados”, afirmou.

O Palácio da Justiça é um prédio tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado da Paraíba (Iphaep) e Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). O local abriga o Museu e Cripta onde estão os restos mortais do ex-presidente Epitácio Pessoa. A edificação já pertenceu à Escola Normal instalada até 1939, passou por uma reforma interna e perdeu suas características neoclássicas para sediar o Tribunal de Justiça da Paraíba, em julho de 1939.




Câmara dos EUA aprova segundo processo de impeachment contra Donald Trump

Presidente é acusado de incitação a manifestantes para invasão ao Capitólio durante sessão que daria vitória a Joe Biden nas eleições

Donald Trump
Isac Nóbrega/PR

Presidente Donald Trump teve impeachment aprovado na Câmara

Câmara dos Estados Unidos (EUA) abriu nesta quarta-feira (13) o segundo processo de impeachment contra o presidente Donald Trump . O republicano é acusado de incitar manifestantes a invadirem o Capitólio durante sessão que daria vitória ao presidente eleito Joe Biden e sua vice, Kamala Harris. A manifestação deixou cinco pessoas mortas.

Além do impeachment, estava em jogo a inelegibilidade de Trump, o que significa que ele não vai mais poder concorrer a cargos públicos. A derrota do republicano veio sete dias antes do encerramento de seu mandato, que está marcado para o dia 20 de janeiro.

Durante a sessão antes da votação, a presidente da Câmara, Nancy Pelosi, declarou, que o republicano “é um perigo claro e constante para a nação”.

Agora depende de decisão do Senado para que Trump seja, de fato, afastado do cargo, mas a votação desta quarta, já é considerada um grande derrota para o republicano.

*Esta nota está em atualização

www.reporteriedoferreira.com.br  Por Ig




EUA: Presidente da Câmara diz que Trump é “perigo para nação” e “deve partir”

Deputados discutem possível impeachment do presidente, que deixará o cargo na próxima quarta (20)

Presidente da Câmara americana, Nancy Pelosi

Reprodução: iG Minas Gerais

Presidente da Câmara americana, Nancy Pelosi

A presidente da Câmara dos deputados dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, declarou nesta quarta-feira (13), durante análise do processo de impeachment de Donald Trump , que o republicano ” é um perigo claro e constante para a nação”.

Trump é acusado de incitar à violência que ocasionou a invasão ao Capitólio, sede do congresso, na última quarta (6), que resultou na morte de 5 pessoas.

Caso seja aprovado, o presidente ainda não será afastado, pois o processo precisa ser aprovado pelo Senado, dessa forma, Trump deverá permanecer no cargo até o dia 20, quando seu sucessor, Joe Biden , assume como mandatário do cargo.

Continua após a publicidade

Pelosi subiu o tom ao defender o afastamento de Trump, pedindo que ambos os partidos, democratas e republicanos, adotassem “um remédio constitucional que garantirá que a república estará a salvo deste homem que está tão resolutamente determinado a destruir as coisas que consideramos preciosas e que nos mantêm unidos”.

“Ele deve ir. Ele é um perigo claro e presente para a nação que todos nós amamos ”, afirmou a presidente da Câmara . “Não me dá prazer dizer isso – parte meu coração ”, completa.

www.reporteriedoferreira.com.br    Por agências




Pazuello pede calma para população: “Não é tomar vacina e sair fazendo festa”

Ministro da saúde voltou a declarar que vacinação no país começará ainda em janeiro

Ministro da saúde, Eduardo Pazuello
Reprodução: iG Minas Gerais

Ministro da saúde, Eduardo Pazuello

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello , defendeu nesta quarta-feira(13), a importância de os brasileiros continuarem seguindo as recomendações das autoridades de saúde como forma de tentar conter o aumento do número de casos do novo coronavírus (Sars-Cov-2).

“Todo mundo deve estar focado em salvar vidas. Cada um no seu papel. Se o papel da pessoa é se prevenir para não ficar doente, tomar seus cuidados, manter o afastamento social, este é o papel dela”, disse o ministro, em Manaus, onde apresentou um balanço das ações dos governos federal e estadual para tentar controlar a disseminação do coronavírus no estado.

“Temos que nos cuidar. Temos que seguir as orientações dos gestores. Não adianta lutar contra isto”, disse Pazuello após afirmar que todos têm que colaborar para que o país consiga superar a doença.

“O papel das equipes de mídia é informar, manter a população a par do que está acontecendo para que ela fique calma e confie em quem está trabalhando. O dos empresários é manter suas estruturas funcionando para preservar os empregos das pessoas, mas com a devida prevenção e cuidados médicos”.

O ministro reafirmou que a população brasileira começará a ser vacinada ainda este mês. E que as vacinas cuja segurança e eficácia forem comprovadas serão distribuídas para todo o país ao mesmo tempo, de acordo com a proporção populacional dos grupos considerados prioritários.

Pazuello também ressaltou que a população deverá manter os cuidados que já vêm sendo recomendados, como o uso de máscara, o distanciamento social e a atenção à higiene das mãos e de objetos, mesmo após o início da vacinação.

“Vamos vacinar em janeiro. A vacina induz à produção de anticorpos, mas isto não acontece no dia seguinte. A literatura [médica] fala em 30 a 60 dias. Não é tomar a vacina no dia 20 e, no dia 22 estar na rua fazendo festa”, alertou Pazuello.

Tratamento precoce

O ministro disse que devido à gravidade da situação atual em Manaus , a prioridade deve ser o tratamento precoce nas unidades básicas de saúde. Desde dezembro, o número de casos da covid-19 na capital manauara não para de aumentar:

“Não temos 30 ou 60 dias para esperar a imunização total [de parte da população a partir da aplicação da vacina]. A vacina faz parte de uma estratégia, cujo principal [ação] é o tratamento na unidade básica de saúde, o diagnóstico clínico feito pelo médico”, disse o ministro, acrescentando que não há “como resolver esta situação se não transformarmos o atendimento precoce em prioridade da prefeitura de Manaus”.

Dentre as ações em curso, como a abertura de novos leitos hospitalares para atendimento de pacientes com a Covid-19 e o transporte de cilindros de oxigênio para suprir o aumento da demanda, o ministro mencionou uma parceria com o Hospital Sírio Libanês de “auxílio na gestão hospitalar”.

De acordo com o ministro , a proposta é que especialistas verifiquem os casos de pacientes internados já em condições de deixar os hospitais, abrindo vaga para outras pessoas.

“Na correria, às vezes os médicos estão mais ocupados com salvar alguém do que em ver quem pode ir para lá ou para cá. Então, um apoio externo, neste momento, ajudará nesta responsabilidade. Com isso, pretendemos ter mais 150 leitos [disponíveis] ainda esta semana, por desospitalização para tratamento residencial”, explicou Pazuello.

www.reporteriedoferreira.com.br   Por Agência Brasil