Ensaísta e filósofo Olavo de Carvalho é guru intelectual do governo Jair Bolsonaro (PSL)
Reprodução

Ensaísta e filósofo Olavo de Carvalho é guru intelectual do governo Jair Bolsonaro (PSL)

A demissão do então diretor de Programas da Secretaria-Executiva do MEC, coronel Ricardo Wagner Roquetti do Ministério da Educação na tarde desta segunda-feira (11) teve grande repercussão. O presidente Jair Bolsonaro determinou a saída do militar em reunião com ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez. O principal motivo da saída de Roquetti do governo foram as críticas que ele recebeu do filósofo Olavo de Carvalho, considerado um dos maiores gurus do presidente.

No entanto, o militar não foi o único exonerado pelo MEC. Ao todo, seis funcionários perderam seus cargos na portaria publicada nesta segunda-feira, entre eles, alunos do próprio Olavo de Carvalho , como Tiago Tondinelli, que ocupava o cargo  de chefe de gabinete do ministro da Educação e era bastante e Silvio Grimaldo de Camargo, ex-assessor especial do ministro da Educação.

Tondinelli pediu para deixar o cargo alegando motivos pessoais, de acordo com uma reportagem do jornal Folha de São Paulo. Grimaldo, por sua vez, tem utilizado as redes sociais para denunciar o “expurgo” dos alunos do filósofo do ministério. “O expurgo de alunos do Olavo de Carvalho do MEC é a maior traição dentro do governo Bolsonaro que se viu até agora”, escreveu.

Ele foi um dos mais vocais críticos de Roquetti . “Ele perambulava pelo gabinete como a eminência parda do ministro, dando ordens, tomando decisões, indicando amigos para os cargos que vagavam. Era um poder imenso acompanhado de nenhuma responsabilidade. Ele mandava e desmandava e não precisava assinar um documento, um processo, um papel”, afirmou, também através das redes sociais.

Olavo chegou a recomendar que seus ex-alunos deixassem os cargos no governo e atacou os militares. “Cada politico, em Brasília, está longe do povo e perto da mídia. Logo ele entende a quem deve obedecer”, escreveu o filósofo, na noite de quinta-feira (7). “Imaginem então o general, que, emergindo da tediosa e austera secura da vida militar, se vê de repente cercado de luzes, câmeras e gostosas repórteres. Cai de joelhos”, disse.

Jamais gostei da ideia de meus alunos ocuparem cargos no governo, mas, como eles se entusiasmaram com a ascensão do Bolsonaro e imaginaram que em determinados postos poderiam fazer algo de bom pelo país, achei cruel destruir essa ilusão num primeiro momento. Mas agora já não posso me calar mais. Todos os meus alunos que ocupam cargos no governo – umas poucas dezenas, creio eu – deveriam, no meu entender, abandoná-los o mais cedo possível e voltar à sua vida de estudos.”

A mesma Portaria que exonerou os funcionários do MEC, assinada pelo ministro-chefe substituto da Casa Civil, Abraham Weintraub, trouxe três nomeações. Dentre elas, a de Josie Priscila Pereira de Jesus para a chefia de gabinete e de Rubens Barreto da Silva para a secretaria-executiva adjunta da secretaria-executiva.

Em nota, o MEC afirmou que trata-se de uma reorganização do ministério e que as mudanças não vão reduzir as intenções de apurar e combater os indícios de corrupção na pasta ou frear o andamento do que chama de Lava Jato da Educação .

“As movimentações de pessoal e de reorganização administrativa, levadas a efeito nos últimos dias, em nada representam arrefecimento no propósito de combater toda e qualquer forma de corrupção. Ademais, envolveram cargos e funções de confiança, de livre provimento e exoneração”, disse o MEC.

Apesar de já ter afirmado em um vídeo que “era guru dessa ‘porcaria'”, Olavo de Carvalho mostrou grande força e acabou sendo responsável por uma grande mudança no Ministério da Educação. O filósofo foi o responsável pela indicação de Vélez Rodríguez para a pasta. Ele também indicou o chanceler Ernesto Araújo.

www.reporteriedoferreira.com.br Por Ig