Início » Cidades » Semana Santa 2019: Exemplo do Sofrimento de Jesus Cristo

Semana Santa 2019: Exemplo do Sofrimento de Jesus Cristo

20/04/2019 06:05

Semana Santa 2019. De: domingo(14) até sábado (20)abril

O Grandioso Exemplo do Sofrimento de Jesus

Por que Cristo sofreu?

“Porque também Cristo morreu uma só vez pelos pecados, o justo pelos injustos, para levar-nos a Deus …” (1 Pedro 3:18).

Cristo não sofreu por merecer. Ele suportou o sofrimento para o nosso benefício: para ajudar a cumprir o propósito de Deus para nós.

Durante Seu ministério Jesus Cristo foi ridicularizado, desprezado e rejeitado pelos líderes religiosos dos Seus dias. Isto foi uma grande parte de Suas aflições antes da crucificação. Seus compatriotas ordenaram à Sua crucificação. Por fim, Ele foi abandonado até mesmo pelos Seus discípulos, que O deixaram sozinho para enfrentar Seu trágico destino. “Era desprezado, e rejeitado dos homens; homem de dores, e experimentado nos sofrimentos; e, como um de quem os homens escondiam o rosto, era desprezado, e não fizemos Dele caso algum” (Isaías 53:3). “Veio para o que era Seu, e os seus não O receberam”(João 1:11). Ele suportou todo tipo de sofrimento humano.

Depois de ter vencido a morte através de Sua ressurreição, imediatamente Jesus explicou aos Seus discípulos a necessidade do Seu sofrimento (Lucas24:46). Como Ele não tinha pecado, então Seu sofrimento não se deu por nenhum pecado próprio e sim pelos nossos pecados. Ninguém jamais passou por isso, pois o destino da humanidade estava sobre os Seus ombros. Ele mesmo pagou a pena por nossos pecados. Seu sofrimento e morte foram absolutamente necessários para a nossa salvação.

Todo cristão deveria realmente se identificar com o sofrimento de Jesus. Através desse sofrimento Ele tornou possível a nossa salvação. Se Ele não tivesse sofrido espontaneamente a nosso favor, todos nós iriamos perecer—por toda a eternidade.

Como Deus testou severamente a fidelidade de Cristo?

“E esteve no deserto quarenta dias sendo tentado por Satanás; estava entre as feras, e os anjos O serviam” (Marcos 1:13).

“O qual nos dias da sua carne, tendo oferecido, com grande clamor e lágrimas, orações e súplicas ao que podia livrar da morte, e tendo sido ouvido por causa da Sua reverência (Hebreus 5:7).

A própria tentação é uma forma de sofrimento e teste. Jesus Cristo mesmo teve que resistir e superar aos desejos da carne. E conseguiu! Sem dúvida, Ele foi o único ser humano que resistiu a todas as tentações do pecado (1 João 3:5; compara (Hebreus 12:3-4).

Mesmo com a ajuda do Pai, a força de vontade necessária para resistir às tentações de Satanás e ao impulso da carne era inimaginável. Porém, é impossível compreendermos a agonia que Ele sofreu no Getsêmani. E lá, Ele orou três vezes ao Pai por mais força espiritual para poder cumprir a profecia de Seu sofrimento e crucificação. Ao orar tão intensamente, “Seu suor tornou-se como grandes gotas de sangue (Lucas 22:44). Ele chegou a perguntar ao Pai se era possível evitar Seu iminente sofrimento. Mas, logo a seguir, Ele obedientemente cumpriu aquilo que sabia ser o desejo do Pai (Mateus 26:3639-42).

Significado da Sexta-feira Santa

Sexta-feira santa

Segundo a tradição cristã, a ressurreição de Cristo aconteceu em um domingo, no dia 14 de Nisã, de acordo com o calendário hebraico.

Assim sendo, contando a partir do domingo, e sabendo que o costume judaico contava o primeiro e o último dia, concluiu-se que Jesus morreu numa sexta-feira.

Atualmente, a escolha da data é feita baseada na primeira lua cheia após o equinócio da primavera (no Hemisfério Norte) e do outono (no Hemisfério Sul). Neste caso, a Sexta-feira Santa pode ocorrer entre os dias 22 de março e 25 de abril.

Tradições da Sexta-feira Santa

Nesta data, acontecem diversos rituais religiosos. A Igreja Católica aconselha aos fiéis cristãos a fazerem algum tipo de penitência, como jejum e a abstinência de carne ou de qualquer ato que se refira ao prazer mundano.

Procissões e reconstituições da Via Sacra (caminho que Cristo teria percorrido ao carregar a cruz antes de morrer) são alguns dos rituais mais populares.

A adoração da cruz pelos católicos também é um símbolo que representa as tradições típicas da Sexta-Feira da Paixão. Muitos devotos costumam beijar os seus crucifixos em sinal de respeito e eterno agradecimento a Jesus, por ter se sacrificado em prol da humanidade.